14 de ago de 2008

Embratel cria opção de acesso à Internet para classe C


Uma boa notícia.
A Embratel começa a oferecer, até setembro, uma opção de acesso à Internet com telefone para novos usuários de computador por 39,90 reais mensais. A medida é, segundo a companhia, uma forma de atingir a classe C, que graças a incentivos fiscais está conseguindo comprar seu primeiro PC.
A companhia implementou uma rede de transmissão de dados móveis na região que pertencia à Vésper, empresa comprada pela Embratel no final de 2004 e que detinha licenças para as regiões da Telefônica (Estado de São Paulo) e da Oi .

Guilherme Luiz Zattar, diretor executivo de negócios residenciais da companhia, conta que quando a empresa adquiriu o controle da Vésper recebeu junto o serviço comercializado sob a marca "Livre", de telefonia fixa sem fio, cuja base apontava 1 milhão de clientes.

"Depois de "limpa", essa base de clientes caiu para entre 200 mil e 300 mil assinantes", já que havia um índice grande de inadimplência e mesmo de clientes que já haviam desistido, mas ainda eram contabilizados como usuários.

Como a rede da época não permitia acesso à Internet, a Embratel deu início a uma reformulação, que envolveu a troca dos fornecedores e da tecnologia utilizados.

A Ericsson, que forneceu a rede usada até então pela Vésper, foi substituída pela Nortel em São Paulo e pela Huawei na região da Oi (Sudeste, Nordeste e Norte do Brasil). Desde então, o total de clientes subiu para 1,7 milhão de usuários.

A tecnologia implementada foi a 1XRTT, uma variação do CDMA que permite conexões à Internet a uma velocidade média de 144 Kbps. "Como a linha discada permite uma conexão de 50 Kbps, teremos uma opção três vezes mais veloz", compara o executivo.

Segundo Zattar, feita essa reformulação, a Embratel decidiu criar um pacote que ofereça voz e Internet.

A atual base de clientes, que hoje só utiliza voz, poderá contratar o serviço de acesso à Web por adicionais 24,90 reais.

Em cerca de 20 dias, o pacote, batizado de Livre.com, começa a ser vendido em toda a região da Oi, menos no Estado do Rio de Janeiro, que assim como São Paulo só deve ter a opção "em três a quatro meses", de acordo com o executivo.

Segundo ele, em duas semanas de testes feitos na capital paulista "a aceitação foi muito forte" e gerou a adesão de 7,5 mil potenciais clientes.

À medida que os assinantes quiserem velocidades mais altas de banda larga, podem optar pelo Vírtua, da NET, de quem a Embratel é acionista minoritária e com quem tem uma parceria comercial.

"Nossa idéia neste momento é mesmo atender a essa classe C emergente", afirmou o diretor. A rede "Livre" da companhia cobre 95 municípios nas áreas da Oi e da Telefônica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário e logo logo estaremos entrando em contato contigo.

Followers

About Me

Minha foto

Um iniciante na fina arte de blogar,muito sem experiência,mas com uma vontade tamanha tanto quanto os amigos que fiz na net.