7 de ago de 2008

LAN HOUSES PODEM DETERMINAR O MERCADO DE INTERNET DO FUTURO

Presidente da WorldTimes, Axel Leblois destacou a importância das lan houses e os portadores de necessidades especiais para o futuro do mercado de internet

Axel Leblois, presidente da World Times abriu a série de palestras do terceiro dia do I Festival de Tecnologia de Petrópolis. Ao falar sobre os "Mercados para internet para classes C e D", Axel traçou paralelos entre o uso da internet em diversos países e mostrou o grande potencial das lan houses e cyber cafés para a democratização do uso da internet e da banda larga no Brasil, especialmente entre as classes de menor poder aquisitivo, que ainda não possuem condições de adquirir seu próprio computador. Ele também destacou o grande potencial de mercado que é o grupo de pessoas com necessidades especiais.

"Cegos ou pessoas com dificuldade de mobilidade são um grande potencial de mercado porque podem passar mais tempo conectadas", explicou Leblois.

Axel apresentou ainda dados do Comitê Gestor da Internet no Brasil e os comparou com outras pesquisas realizadas nos Estados Unidos que demonstram que o hábito de internet é muito comum entre os dois países, independentemente da casse social que ocupam. A maioria dos usuários usa a internet para comunicação, seguido de busca de informações gerais e educação. A diferença fica com o comércio pela internet bastante disseminado nos Estados Unidos, mas ainda bastante restrito às classes A e B, no Brasil.

Para ele o futuro da internet está nos novos aplicativos que ainda vão surgir e também na captação de novos usuários, especialmente aqueles que possuem necessidades especiais. Para este público ainda existem barreiras que devem ser transpostas. Segundo os dados apresentados durante a palestra de Leblois, 18% da população mundial tem alguma forma de incapacidade, na maioria das vezes devido à idade. Outros 10% - mais ou menos 600 milhões de pessoas - possuem alguma debilidade física.

"Em todo mundo já há uma grande preocupação em dar acesso a este público. Nos Estados Unidos uma associação de cegos entrou com uma ação contra um supermercado porque o site não oferecia uma área dedicada a eles. A BBC de Londres e algumas de departamentos, como Macy''s já oferecem atendimentos especiais no site para que pessoas cegas, ou com alguma necessidade possam comprar", exemplificou Leblois.[14]

A programação desta quarta-feira contará ainda com a palestra de Gilberto Buffara, que falará sobre veículos não tripulados. A partir das 14h, no auditório da Fase acontecerá uma série de palestras sobre biomedicina, com Radovan Borojevic, que abordará as pesquisas sobre células-tronco; Arthur Ziviani, falando sobre computação científica e Eudemberg Silva que falará sobre diagnóstico por imagem.

Aumenta número de usuários de internet em alta velocidade e TV por assinatura

O número de usuários de TV por assinatura cresceu 13% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, chegando a 5,4 milhões de assinantes em todo o Brasil. Já o total dos que usam internet em alta velocidade aumentou 45% no mesmo período, somando 1,9 milhão de consumidores.

Os dados foram divulgados hoje (6) pela Associação Brasileira de TV por Assinatura e pelo Sindicato das Empresas de TV por Assinatura.

O faturamento bruto da indústria de TV por assinatura foi de R$ 2 bilhões, o que significa incremento de 24% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. O setor gerou 14,7 mil empregos diretos, 27% a mais que nos primeiros três meses de 2007. Em relação aos empregos indiretos, o setor fechou o trimestre com 43 mil postos de trabalho.

O Levantamento Setorial de TV por Assinatura é realizado trimestralmente desde 2002 e conta com a participação de operadoras de TV por assinatura de todo país.

Gigantes da internet criam código para atuar na China

Microsoft, Google e Yahoo se unem para atuar frente aos pedidos de informações sobre seus usuários
Microsoft, Google e Yahoo, os grandes rivais da internet, decidiram deixar suas diferenças para atuar de maneira coerente na China frente aos pedidos de informações sobre seus usuários realizados pelo governo de Pequim.

Segundo o Wall Street Journal, citado pelo jornal El País, as três companhias estão elaborando um código de conduta voluntário com o objetivo de ajudá-los na hora de atuar em países onde as liberdades fundamentais dos cidadãos não são respeitadas.

A iniciativa surgiu após o famoso caso no qual a colaboração do Yahoo com as autoridades chinesas serviu para que um blogueiro, cujo maior delito foi criticar a censura em seu país, fosse parar na prisão. O Yahoo teve que enfrentar um julgamento nos Estados Unidos e acabou indenizando a família do blogueiro, que continua preso.

As três companhias afirmam que vão cumprir com as leis dos países em que estão trabalhando, mas querem que este código lhes sirva de apoio para evitar pressões que lhes obriguem a divulgar informações pessoais de seus usuários.

Megafalha de segurança na internet também afeta e-mails

Já se sabia que brecha estrutural pode levar usuários a sites fraudulentos.
Agora foi divulgado que problema também permite interceptação de mensagens.
Uma falha de segurança identificada recentemente na estrutura da internet não permite apenas que hackers forcem internautas a visitar sites que não querem, mas também que essas pessoas mal-intencionadas interceptem mensagens de e-mail. Foi o que revelou nesta quarta-feira (6) o especialista Dan Kaminsky, que descobriu esse erro há cerca de seis meses.

Diversas empresas de informática já disponibilizaram a seus clientes atualizações de segurança para que eles não sejam “seqüestrados” para endereços virtuais criados por golpistas. Mas ainda não há informações sobre soluções que evitem os outros problemas anunciados nesta quarta por Kaminsky, diretor da empresa de segurança consultant IOActive.

Considerando a discrição na interceptação de mensagens e o conteúdo delicado de muitas correspondências eletrônicas, diz a agência de notícias Associated Press, essa nova possibilidade de golpes traz grandes riscos de dano – e mostra que a falha é pior do que se imaginava. Mas, de acordo com o especialista, ainda não há evidências de que hackers já tenham explorado a brecha para realizar ataques usando e-mails.

No caso das mensagens eletrônicas, explicou o especialista, a falha possibilita que essas mensagens sejam interceptadas e copiadas. Outra possibilidade é a de pessoas mal-intencionadas trocarem anexos legítimos desses e-mails por arquivos fraudulentos, com o objetivo de espalhar vírus.

“Todas as redes correm risco. Isso é o que mostra a falha”, disse Kaminsky, que, segundo a versão on-line da revista “Wired”, classifica essa brecha de segurança como a pior já identificada desde 1997. Além de navegadores e e-mails, continuou a “Wired”, também é possível que golpistas explorem a brecha em outras aplicações, protocolos e serviços, como FTP (File Transfer Protocol) e filtros de spam. “Há diferentes caminhos que levam ao caos.”
Sites trocados

Quando anunciou a megafalha, no início de julho, Kaminsky não quis dar detalhes sobre sua descoberta para que as empresas de tecnologia aumentassem a segurança de seus usuários. Em um evento de segurança realizado em Las Vegas, nesta quarta, ele deu mais informações sobre a brecha no sistema de nomes de domínio, também conhecido como DNS, e sobre outras possibilidades de ataques (como os de e-mail).



O DNS relaciona os endereços da internet e as páginas correspondentes nos servidores, ao transformá-las em sistemas numéricos similares aos telefônicos – ele é o responsável por levá-lo ao Google, por exemplo, quando você digita www.google.com. Com a brecha, golpistas conseguiram direcionar internautas do Texas a um falso site do Google que exibia diversos anúncios.

A falha nesse caso não está no site, mas na estrutura responsável por levar o computador até a página digitada pelo usuário. E justamente por isso os navegadores (Internet Explorer, Firefox e Safari, entre outros) acreditam estar acessando um endereço legítimo, dificultando a identificação da fraude.

Prevenção

Gigantes da informática, como Microsoft, Cisco, Sun e outras empresas de peso já disponibilizaram atualizações de segurança, para prevenir que as máquinas sejam conduzidas por hackers a endereços fraudulentos. “A indústria correu de uma forma que eu nunca havia visto”, disse o consultor.

Kaminsky afirmou que mais de 120 milhões de usuários de banda larga estão protegidos contra o golpe baseado em DNS que leva o internauta a uma página fraudulenta – esse valor, continuou na apresentação em Las Vegas, seria equivalente a 42% dos internautas com acesso rápido em todo o mundo.

Paris Hilton brinca na internet sobre comparação com Barack Obama


Socialite aparece com maiô de oncinha em vídeo e promete que, se for eleita presidente dos EUA, pinta Casa Branca de Rosa
A patricinha Paris Hilton respondeu com ironia à comparação com o candidato democrata Barack Obama . De maiô de oncinha, a loira brinca dizendo-se candidata à disputa para o cargo de presidente dos Estados Unidos. Ela prometeu que, se for eleita, pinta a Casa Branca de Rosa. Confira o vídeo de Paris Hilton em reportagem exibida pelo Jornal da Globo .



Paris Hilton se acha para a maioria dos internautas. Você concorda?
VEJA O VIDEO.

ERA SÓ O QUE FALTAVA


Lorde britânico coloca "vida" à venda na internet
Um excêntrico bilionário britânico colocou "sua vida" para venda no site de leilões eBay, incluindo o título de lorde. A idéia é converter seus bens, inclusive a nobreza, em dinheiro. David Piper quer abandonar a vida no oeste da Inglaterra e mudar para Londres para ficar mais perto dos filhos.

Estão à venda dois hotéis, dois carros Bentley, uma coleção de pinturas e o título de lorde --comprado por ele por cerca de US$ 2 milhões, junto com a propridade de Warleigh. "A venda acontece em razão de o lorde ter sido informado que sofre de um câncer de próstata em estágio avançado", explica o anúncio.
Reprodução Daily Mail
Com câncer em estágio avançado, David Piper decidiu abandonar atual vida
Com câncer em estágio avançado, David Piper decidiu abandonar atual vida

Piper, que é conhecido em Plymouth por seu comportamento pouco tradicional, espera arrecadar cerca de US$ 7,7 milhões com as vendas, apesar de estimar que seus bens valem US$ 11,6 milhões, antes que o preço de propriedades caísse.

Até agora, cerca de cem propostas foram feitas --o valor gira em torno de US$ 2,5 milhões. As apostas podem ser feitas até 11 de agosto.

A estratégia de colocar "a vida" em leilões na internet não é nova e está virando moda entre aqueles que querem mudar de estilo. Em junho, o inglês Ian Usher também decidiu leiloar sua vida, mais foi mais longe e incluiu casa, trabalho, roupas e amigos no eBay.

"Quando [o leilão] acabar, vou só sair pela porta da frente, pegar minha carteira, meu passaporte e começar uma nova vida", disse. Um comprador arrebatou o "estilo de vida" do britânico expatriado por pouco menos de US$ 363 mil.

Cientistas criam 'língua eletrônica' para identificar vinho


Uma equipe de pesquisadores catalães desenvolveu o que chamam de "língua eletrônica" capaz de identificar propriedades dos vinhos e distinguir entre uvas e safras.

O aparelho combina uma série de sensores que, instalados em um mesmo chip, percebem os componentes químicos que diferenciam uma uva de outra, ou uma safra de outra.

"O aparelho pode ser utilizado para detectar fraudes cometidas na safra do vinho ou a variedade das uvas utilizadas", afirmou a pesquisadora Cecília Jiménez-Jorquera, do Instituto de Microeletrônica de Barcelona, Espanha, que liderou o estudo.

Os cientistas programaram os sensores para identificar as principais categorias do paladar: doce, salgado, amargo, ácido e umami (expressão japonesa que quer dizer "saboroso", ou a sensação agradável gerada pelo contato da língua com os glutamatos).

As experiências foram feitas com o suco de quatro uvas populares na Catalunha - Airén, Chardonnay, Malvasia e Macabeu - e com os vinhos produzidos dessas uvas em 2004 e 2005.

A análise organoléptica dos resultados foi publicado na última edição da revista científica The Analyst, da Royal Society of Chemistry.

De acordo com a equipe, o aparelho é compacto, portátil, e pode ser "treinado" para identificar outras variedades de uva, permitindo testes instantâneos e em campo, sem a necessidade de enviar amostras para processamento em laboratório.

"O controle de qualidade dos vinhos e dos sucos da uva, assim como a quantificação de diversas espécies, tem tido grande importância na indústria do vinho", escreveram os cientistas, no artigo.

"Os diferentes estágios que formam a cadeia da produção de vinho, do cultivo das uvas ao envelhecimento e ao consumidor final, precisam ser monitorados para controlar possíveis fraudes e para quantificar o nível de determinados componentes críticos para a qualidade final do produto."

"Considerando a complexidade das amostras de vinho e a grande quantidade de dados que podem ser obtidos e tratados em cada medição, o uso de línguas eletrônicas na indústria do vinho é promissor."

Boa qualidade de TV aberta dificulta serviço pago, diz associação

O setor de TV de paga no Brasil cresceu 52% em cinco anos, mas poderia ter sido muito mais se não fosse a "excepcional qualidade" da TV aberta. A afirmação é do presidente da ABTA (Associação Brasileira de Televisão por Assinatura), Alexandre Annenberg, que considera satisfatória a programação gratuita. "A qualidade da TV aberta no Brasil é excepcional em comparação com outros países", diz.

Segundo a ABTA, o aumento de renda conseguido pela população da classe C no país foi o responsável pelo crescimento do setor. Mesmo assim, segundo Annenberg, a elevada carga tributária e a força dos canais com programação gratuita impedem que mais pessoas contratem serviços por assinatura.

O presidente da associação utilizou como exemplo a Argentina, onde mais da metade da população assiste televisão através do sistema pago por não contar com boa programação na TV aberta. Segundo Annenberg, o telespectador que quiser assistir aos jogos da seleção argentina de futebol ou as corridas de Fórmula 1 são obrigados a assinar uma operadora de TV.

"A TV por assinatura no Brasil oferece uma alternativa [ao usuário] e não compete com o sistema gratuito", disse.

Expansão

Apesar de existir mais de 5.500 municípios no país, a ABTA reclama que o serviço de TV a cabo atinge pouco mais de 270 cidades. Annenberg informou que a última licitação promovida pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) para expansão dos serviços por cabo ocorreu em 2000.

"Há oito anos que não se faz nenhuma licitação de TV a cabo e depois reclamam da baixa penetração [do serviço]", disse.

A falta de licenças para distribuição de canais exclusivos através de cabos não atinge a expansão dos serviços por DTH (satélite), que dependem apenas da instalação de antena e decodificador.
Leia mais

HQ sobre Zé do Caixão chega ao mercado


O próprio José Mojica Marins, criador do famoso personagem Zé do Caixão, afirma que as histórias em quadrinhos sempre influenciaram seu trabalho como cineasta desde o início de sua carreira.

A HQ Prontuário 666 - Os Anos de Cárcere de Zé do Caixão, com arte e roteiro de Samuel Casal - Adriana Brunstein também assina o roteiro - gira em torno dos 40 anos que Zé do Caixão (Mojica) teria ficado em cárcere antes de ser libertado.

Ou seja, a história faz uma ponte entre os dois outros filmes da trilogia - À Meia-Noite Levarei sua Alma (1964) e Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver (1967) - e seu novo longa-metragem, Encarnação do Demônio, que estréia nesta sexta-feira (8/8).

O álbum ainda conta com uma galeria de pin-ups de Zé do Caixão feitas por artistas como Angeli, Marcatti, Mozart Couto, Fabio Cobiaco e o croata Danijel Zezelj.

O lançamento de Prontuário 666 - Os Anos de Cárcere de Zé do Caixão em São Paulo ocorre nesta quarta-feira (6/8), às 19h, na Livraria do Espaço Unibanco de Cinema (Rua Augusta, 1475). Samuel Casal e José Mojica Marins participarão de bate-papo com os presentes e sessão de autógrafos do álbum, que estará disponível para venda no local.

Confira trechos de Prontuário 666

Batman - O Cavaleiro das Trevas é o mais visto no Brasil


Após 20 dias de exibição nos cinemas brasileiros, Batman - O Cavaleiro das Trevas superou a animação Kung Fu Panda, dos estúdios DreamWorks, e Homem de Ferro, assumindo a primeira posição entre os filmes com maior renda este ano no Brasil.

Mais de três milhões de pessoas foram aos cinemas assistir à nova aventura do homem-morcego, atingindo a marca de R$ 24,3 milhões de faturamento no Brasil. Batman - O Cavaleiro das Trevas também teve a melhor estréia de um longa-metragem em 2007, quando levou 770 mil pessoas às salas de exibição no final de semana de 18 de julho, quando estreou mundialmente.

Kung Fu Panda, que assume a segunda posição na lista, faturou R$ 23,9 milhões desde sua estréia, quantia superior aos R$ 23,4 milhões arrecadados por Homem de Ferro, que ocupa o terceiro lugar.

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal assumiu a quarta posição com R$ 21,8 milhões e Hancock está em quinto, com R$ 20,7 milhões. Entre os brasileiros, Meu Nome Não é Johnny foi o mais visto, ocupando a sétima posição com renda de R$ 18,3 milhões.

Veja a lista das maiores bilheterias de 2008 no Brasil.

1º - Batman - O Cavaleiro das Trevas (R$ 24,3 milhões)
2º - Kung Fu Panda (R$ 23,9 milhões)
3º - Homem de Ferro (R$ 23,4 milhões)
4º - Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (R$ 21,8 milhões)
5º - Hancock (R$ 20,7 milhões)
6º - Eu Sou a Lenda (R$ 18,3 milhões)
7º - Meu Nome Não é Johnny (R$ 18,3 milhões)
8º - As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian (R$ 12,2 milhões)
9º - Wall-E (R$ 9,8 milhões)
10º - Alvin e os Esquilos (R$ 9,7 milhões)

Jason Statham e Frank Miller pensam em novo Demolidor


Durante a Comic-Con, feira de quadrinhos realizada em San Diego (EUA), o jornal Los Angeles Times conversou com o ator Jason Statham (Carga Explosiva) e com o diretor Frank Miller (Sin City - A Cidade do Pecado) sobre a possibilidade de fazer um novo filme com o personagem Demolidor.

Quando Miller trabalhou para a editora Marvel Comics nas histórias do Demolidor, ele pôde dar mais profundidade ao personagem, mas a adaptação de Mark Steven Johnson (Motoqueiro Fantasma), Demolidor - O Homem Sem Medo (2003), não foi bem recebida pelos fãs e pela crítica.

Statham diz que está "ansioso" para trabalhar com Miller e que adora o personagem. Ao ser indagado se um ator britânico poderia interpretar o homem sem medo, Statham é enfático. "Com certeza, apenas me dê uma chance. Eu adoraria ser o Demolidor" confessou.

O repórter que conversou a dupla ainda perguntou se ele não seria melhor no papel de Mercenário, vivido por Colin Farrell (O Sonho de Cassandra) no longa de 2003. Tanto o ator quanto o diretor descartaram a hipótese. "Esqueça o Mercenário. Eu quero ser o Demolidor!", contou Statham. Miller concordou: "Também acho que ele deveria ser o Demolidor".

Em Demolidor - O Homem Sem Medo, Ben Aflleck (Ele Não Está Tão a fim De Você ) interpreta Matt Murdock, um garoto que perde o pai e fica cego após ser exposto à radiação. Murdock desenvolve poderes especiais, como uma espécie de radar que faz com que ele veja melhor do qualquer outro homem. No longa, o ator contracena com Jennifer Garner (Juno), sua esposa na vida real, que interpreta Elektra.

Consumidores poderão se manifestar sobre cobrança do ponto extra de TV


Os usuários dos serviços de TV por assinatura têm até o dia 25 de agosto para dar suas sugestões sobre a cobrança do ponto extra. A consulta pública foi aberta hoje (5) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O texto da proposta está disponível no site da Agência e na biblioteca da Anatel, em Brasília. As contribuições podem ser feitas pela internet, carta ou fax. A Anatel defende o fim do pagamento do ponto extra.

Segundo a Anatel, o objetivo é assegurar os direitos dos assinantes e preservar a qualidade das redes de TV por assinatura. A proposta estabelece que o assinante que já pagou pela programação não deverá pagar novamente caso queira assisti-la em outro ponto instalado no mesmo endereço residencial. A Anatel também quer obrigar as empresas a informar detalhadamente os valores cobrados pelos serviços, para que o assinante possa evitar cobranças abusivas.

No dia 2 de junho entrou em vigor o Regulamento de Proteção e Defesa dos Direitos dos Assinantes dos Serviços de Televisão por Assinatura, mas dias depois a Anatel suspendeu a eficácia dos artigos que tratam da cobrança do ponto extra, pois não houve entendimento dos conselheiros da Agência sobre a questão.

Com isso, a cobrança do ponto extra foi suspensa por um prazo de 60 dias, depois prorrogado por mais 60 dias. Mas as operadoras de televisão por assinatura disseram que continuariam cobrando pelo ponto extra até a decisão de uma ação cautelar ajuizada contra a Anatel.

No entendimento das empresas, o valor cobrado não se refere à programação, mas a serviços como instalação, manutenção e uso de equipamentos para entregar o sinal em um ponto independente do principal.

As sugestões colhidas pela Anatel servirão de base para a alteração do Regulamento de Proteção e Defesa dos Direitos dos Assinantes dos Serviços de Televisão por Assinatura.

Caças e caçador



Mesmo lançado 10 anos depois, mesmo repetindo seus velhos hinos, o novo CD do cantor Fábio Jr., “Fábio Jr. & Elas” é um sucesso de vendas

Ele está no rol dos ídolos de multidões, com sua imagem quase tão associada à televisão brasileira como a de um Sílvio Santos, por exemplo. Como o velho estrategista do Sistema Brasileiro de Televisão, Fábio Jr. sabe que a melhor maneira de fazer sucesso é não mexer em time que está ganhando. Ator, cantor e dublê de compositor, Fábio renova outra vez este segredo em um produto que reforça o carisma de sedutor ao qual sua imagem sempre foi associada, entre cantoras de diversos estilos e origens, de Ângela Maria a Paula Toller. Parece a fórmula de um sucesso, não? E é: em apenas duas semanas, o álbum virou Disco de Ouro, se é que alguém ainda se lembra o que é isso... Bem, foram 25 mil cópias, algo raro para os padrões atuais da indústria fonográfica.

Mas o sucesso quase degringola, na liberação da empreitada, que começou como um show de fim de ano da Rede Record. Ao menos, essa parece a justificativa para os 10 anos para seu lançamento. Talvez o motivo da demora seja mesmo o bom e velho cacau, mas o fato é que Simone, Wanderléa, Fernanda Takai e Ivete Sangalo ficaram de fora. Alegaram que não gostaram do resultado, também em DVD, não disponibilizado pela Sony.

Apesar dos percalços, o CD mostra Fábio, e elas, entre seus respectivos sucessos de então. Os principais dele, claro, e alguns delas. E ainda uns clássicos da música brasileira. Quer dizer, o investimento no projeto já era alto... Mesmo que muitas das convidadas pertencesse ao cast da gravadora multinacional. Os duetos são, em geral, excêntricos. O formato naturalmente garante a diversificação do repertório e sua condução, com Fábio sempre procurando deixar o clima descontraído. Com alguns exageros, entre arranjos orgânicos, banda com cinco backing vocals...

Mugangos, flertes e canções

Dando o caráter profissional do encontro, o show começa com “Caça e Caçador”, dividida com Sandra de Sá. Mas a seriedade dos arranjos logo esbarra nos improvisos frágeis de Fábio, como em “Enrosca”, com a promessa de então, Patrícia Coelho, numa pegada mais funk. E só. Bem melhor ficou “Seu melhor amigo”, com ele defendendo a “cria”, enquanto Elza Soares faz os scats de que ela tanto gosta. Contrasta com os exageros kitschs do Fat Family em “Não me condene”. Também estranho é Fábio Jr. no hino nordestino “Ai que saudade D´ocê” (Vital Farias), com Elba Ramalho. Ou “Mentiras”, com Adriana Calcanhotto e seu violãozinho. Fábio muganga, muganga e... Sobra. Mais natural, talvez, seja sua aproximação com o público sertanejo em “Volta ao Começo”, que, em duo com Roberta Miranda, parece da cantora, mas havia sido gravada por ele 10 anos antes. E ainda o encontro derramado com Fafá de Belém em “Sem Limites pra Sonhar”.

Surpresa bem melhor é ele e Leila Pinheiro, praticamente só a seu pianinho, em “Sentado à beira do caminho” (Roberto e Erasmo Carlos). Um achado, apesar das poucas palmas. A paulistana Vânia Bastos também ajuda em “Sorri” (Chaplin, em versão de João de Barro), após uma misèn-scene dispensável dele. Outro duo legítimo é o com Joyce em “Compromisso”, canção de linguagem bem popular, mantendo a descontração num nível legal. Outro duo mais vibrante é “Na Canção”, com Fábio se preocupando mais em cantar ao lado de com Fernanda Abreu.

“Onde é que foi parar aquela menina?”, entoa Zélia Duncan em “Eu me rendo”, outro dos sucessos de Fábio Jr. Bem que Fábio tenta comprometer, entre os “charminhos” que atravancam o show. O que não acontece em outro sucesso, “Quando gira o mundo”, com Joanna, nem na versão acústica de “Nada por Mim” com Paula Toller, mesmo com um ou outro flerte. No final, sozinho, ele encara “Pai”, com a texto espiritualista de Luiz Antônio Gasparetto. O cantor já falou que não pensa em um projeto similar, mas anunciou: vem aí o “Minhas Canções 2”. É, mesmo que não pareça, suas eternas caças continuam soltas por aí.

TV americana promove adultério no horário nobre, diz estudo


Los Angeles (EUA)- Um estudo denuncia que a indústria da TV americana promove o adultério e a promiscuidade nos programas de maior audiência, afirmou o Conselho de Pais para a Televisão (PTC, na sigla em inglês).

O relatório denuncia que as redes de TV quase não mostram cenas sexuais no contexto do casamento ou as representa como uma "carga", enquanto acentua atrativos de outros tipos de relações.

Os dados reunidos sobre conteúdos exibidos pelas principais redes dos EUA refletiram que as cenas de adultério superaram em uma proporção de dois para um as imagens íntimas de casais.

Além disso, o sexo sem casamento superou por quatro a um as relações sexuais matrimoniais.

"A TV sugere que muitos buscam minar o casamento ao tratá-lo de forma negativa, mas mais problemático que a glorificação do sexo extramatrimonial é a obsessão por ensinar comportamentos que há uma década teriam sido impróprios para a televisão", afirmou o presidente do PTC, Tim Winter.

Referências a situações sexuais que antes não apareciam em horário nobre, como relações grupais, de mudança de casal, pedofilia, necrofilia e fetichismo, se encontram agora na programação de forma abundante.

"Comportamentos que antes eram vistos como imorais ou socialmente destrutivos receberam sinal verde da indústria da TV. Recentes estudos mostram que as crianças são influenciadas por essas mensagens", assegurou Winter.

A pesquisa se baseou em horários de maior audiência das emissoras "ABC", "CBS", "FOX", "NBC" e "CW" durante quatro semanas no início da temporada 2007-2008 da TV, entre setembro e outubro do ano passado.

A "ABC" foi a rede com mais alusões a sexo no casamento, "embora a maior parte delas negativas", segundo menciona o relatório, que destaca que nesse mesmo canal o sexo sem casamento prévio apareceu em um contexto positivo. EFE

Charlie Sheen tem o maior salário na TV


Charlie Sheen, protagonista da série "Two and a Half Men" da cadeia "CBS", é o ator de televisão mais bem pago dos Estados Unidos, com um salário recorde de US$ 825 mil por episódio, segundo uma estatística elaborada pela revista "TV Guide".



Sheen se tornou, assim, o "rei" das séries cômicas na televisão americana, à frente do ator William Petersen, que interpreta Gil Grissom na série "CSI", da mesma emissora, e que recebe US$ 600 mil por episódio.



Petersen é o ator mais bem pago na categoria séries dramáticas, de acordo com a revista americana.



Sheen que interpreta o papel de Charlie Harper na série que passa às segunda-feiras na televisão americana, foi indicado em 2005 e 2006 ao Globo de Ouro e, em 2006 e 2007, foi candidato ao Emmy como melhor ator em uma série de comédia por "Two and a Half Men".



As atrizes de televisão seguem ganhando bem menos que os homens.



Mariska Hargitay, que participa de "Law & Order: Special Victim Unit", que recebe US$ 400 mil por episódio da série da cadeia "NBC", enquanto Kyra Sedgwick, que interpreta Brenda Leigh Johnson em "The Closer", embolsa US$ 275 mil.



No segmento de animação, Nancy Cartwright, a voz de Bart Simpson em "Os Simpsons", ganha US$ 400 mil, o mesmo que os outros atores que emprestam suas vozes aos personagens de Springfield.



Quanto aos apresentadores, Oprah Winfrey continua sendo a rainha da telinha, com um salário de US$ 385 milhões.



O juiz de "American Idol", Simon Cowell, recebe US$ 50 milhões ao ano, o jornalista David Letterman embolsa US$ 32 milhões e a apresentadora do telejornal da "CBS", Katie Couric, ganha US$ 15 milhões.

"The Clone Wars" repete temas e situações do projeto anterior, na televisão


A retomada das "guerras clônicas" por George Lucas perde muito do efeito dramático por contar uma história que, afinal, todos sabem como termina: o desenho anterior, de Genndy Tartakovsky, já havia mostrado como o conflito se amarrava aos eventos de "A Vingança dos Sith", o longa-metragem em que Anakin cede ao Lado Negro da Força e torna-se Darth Vader. "The Clone Wars", portanto, é apenas uma eletrizante aventura do jovem jedi que pouco acrescenta à sua mitologia - a não ser pela novidade da personagem de Ahsoka Tano, sua padawan, criada especialmente para o projeto e que, convenhamos, tem uma existência em contagem regressiva.
Afinal, se ela não é citada em "A Vingança dos Sith" e demais obras correlatas à saga, não é irresponsável apostar que a pobre jedizinha não irá sobreviver à nova série animada. Seja como for, a apresentação de Ahsoka soa como jogada de marketing para atrair uma fatia de público que nunca deu muita bola para "Star Wars": as meninas. Antes que nos atirem pedras, é óbvio que existem fãs femininas da saga; porém, dizer que os homens não são maioria esmagadora entre os fanáticos pela Força é querer tapar os dois sóis de Tatooine com peneira. Com maneirismos de pré-adolescente cheia de estilo, Ahsoka é feita sob medida para chamar esse público.

"The Clone Wars" começa com uma premissa sem pé nem cabeça: Jabba, o Hutt, o conhecido gângster galático de "O Retorno de Jedi" (1983), tem seu filho seqüestrado e pede a ajuda aos jedis e ao Chanceler Palpatine para recuperar seu pimpolho. É algo como se o narcotraficante Carlos Escobar tivesse pedido a ajuda do governo Reagan para a mesma missão. Nem a simples fala de Mace Windu (voz de Samuel L. Jackson), dizendo que não gostaria de negociar com um mafioso, justifica essa proposta de trama tão estapafúrdia.

A seguir, Anakin Skywalker e sua padawan devem descobrir onde está o filho Jabba, sem saber que o Conde Dookan e sua fiel aliada Asajj Ventress são os culpados pelo rapto do Hutt. Tudo parte de um plano para que Jabba culpe a própria República pelo acontecido, e passe a se aliar às forças separatistas lideradas por Dookan. A tramóia em si não é ruim; o que não funciona dramaticamente é a maneira como os jedis são envolvidos, e também a representação de Jabba como um joguete estúpido (ele cai em mentiras que nem Pinóquio contaria). Se fosse tão manipulável assim, o Hutt não teria construído um império criminal temido tanto pela República quanto pelos Separatistas.

Em termos de ação, "The Clone Wars" tem seqüências espetaculares e um belíssimo design, abandonando a caricatura de Genndy Tartakovsky ao flertar com uma saudável dose de realismo nas feições dos personagens. Pena que os duelos entre heróis e vilões não soem tão importantes: de novo, todo mundo sabe que Anakin só derrota Dookan em "A Vingança dos Sith", por exemplo, o que esvazia o drama do embate entre os Lordes Sith - o atual, Darth Tyranus, e o futuro Vader. Com um longa-metragem de cinema com poucas novidades, há a esperança de que a série de TV, menos focada nos personagens de sempre, empolgue mais pela sensação de que qualquer coisa possa vir a acontecer.

Followers

About Me

Minha foto

Um iniciante na fina arte de blogar,muito sem experiência,mas com uma vontade tamanha tanto quanto os amigos que fiz na net.